Ações educativas estimulam atitudes preventivas contra a Covid nas periferias

Estudos evidenciam que há maior nível de contaminação por Covid onde a desigualdade na distribuição de renda é maior. Isso se dá pela dificuldade de realização de isolamento social adequado, a inevitável necessidade de deslocamentos para obtenção de renda e o menor acesso aos serviços de saúde especializados, o que torna uma possível infecção pela doença ainda mais perigosa.

Diante dessa dura realidade, o projeto 4 ELEMENTOS, a Associação das Prostitutas de Minas Gerais (APROSMIG) @aprosmig e a Ocupação Esperança Izidora @esperanca_izidora executaram eventos, em março e abril, para compartilhar conhecimento e evitar o avanço da doença.

O projeto 4 ELEMENTOS realizou o evento sociocultural “4 Elementos pela Vida” na comunidade do Morro das Pedras. Para isso, houve ampla mobilização: divulgação boca a boca no território, publicações em redes socias, distribuição de e-flyer em grupos de WhatsApp, composição e gravação da música tema “Vamos Viver”, além de uma entrevista no programa Hora Rap da rádio UFMG Educativa 104,5 FM.


A ação teve debates feitos pelas lideranças comunitárias com o tema “Cuidados em relação a pandemia na comunidade”; disponibilização de uma equipe de apoio para tirar dúvidas; distribuição dos materiais impressos da campanha “Com Saúde Não se Brinca”; apresentações de 6 atrações artísticas ao longo do evento e uma intervenção educativa em dez comércios locais previamente mapeados por terem o maior fluxo de pessoas do aglomerado, com a distribuição e colagem de cartazes informativos.

Todo processo da ação educativa foi registrado, editado e publicado em forma de minidocumentário pela equipe da produtora Vira Filmes, que pode ser acessado no link https://www.youtube.com/watch?v=M33rWdN2t7s

O foco do projeto “APROSMIG Sem Covid” foram ações educativas de promoção de saúde com trabalhadoras(es) sexuais (TS) cis e trans, população em situação de rua e população local da região da Guaicurus/BH e também em pontos de prostituição cis e trans de Betim.


Em Belo Horizonte, a ASPROMIG contou com apoio da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte (SMSA), através da Gerência de Assistência, Epidemiologia e Regulação (GAERE) Centro Sul e de estagiários de Psicologia da PUC/MG para acolhimentos psicossociais e encaminhamento de demandas de saúde e de acesso a direitos e benefícios sociais trazidas pelas pessoas acolhidas. A equipe abordou mais de 1500 pessoas incluindo profissionais sexuais dos 26 hotéis de prostituição, pessoas em situação de rua e outras populações que circulam na região da Guaicurus. Foram ofertadas orientações sobre a COVID, informações sobre prevenção combinada, testagem rápida para HIV e distribuição de insumos – preservativos masculinos e femininos, gel lubrificante, autoteste HIV, álcool em gel 70%, máscaras protetoras, além de panfletos informativos e cestas básicas para as pessoas em situação de maior vulnerabilidade social. Nas abordagens, foi questionada a existência de crianças na família, com as quais foi reforçada a importância da vacinação infantil e oferecido material educativo e brindes específicos para essa faixa etária. Também foi realizada uma campanha de vacinação contra a COVID com disponibilização de doses de CoronaVac, Pfizer, Janssen e AstraZeneca. Durante dois dias, 159 pessoas foram imunizadas com a aplicação da 1ª, 2ª e 3ª doses, para quem ainda não estava imunizado, e da 4ª dose para pessoas com comorbidades.


A ação no município de Betim foi realizada exclusivamente pela equipe da ASPROMIG, no período noturno, em conversas individuais e/ou com pequenos grupos, observando a dinâmica local e sem atrapalhar o trabalho das TS. Foi possível abordar 20 pessoas, auxiliando nas dúvidas sobre COVID-19, indicando locais para vacinação e promovendo ações educativas de prevenção combinada, incluindo panfletos informativos/ educativos e brindes para crianças (filhos e/ou parentes do público-alvo).

A Ocupação Esperança Izidora, que está localizada no bairro Jaqueline, região Norte de Belo Horizonte, realizou a ação “Atitudes Que Salvam Vidas” e mobilizou a comunidade por meio de divulgação boca a boca e faixas em todo território.


No dia 04 de maio, foi realizada uma roda de conversa sobre argumentos contra as fakes news que desestimulam a vacinação e divulgadas orientações sobre a adoção de medidas preventivas por meio de folhetos explicativos, especialmente impressos, para o evento. A iniciativa optou por realizar o evento no período noturno para facilitar a participação dos moradores, o que facilitou que cerca de 125 pessoas de todas as idades pudessem comparecer.


Também foi abordada a questão do agravamento da situação de fome dentro das comunidades mesmo no contexto de pós-pandemia, com a distribuição de um lanche coletivo para os participantes.

De acordo com Edna Gonçalves, “deu tudo certo, o pessoal gostou muito e o ato foi realizado com muito sucesso dentro da Ocupação Esperança”.

A cartilha Com Saúde não se Brinca, que foi elaborado em parceria com esses grupos e distribuída nas cestas básicas do Comunidade Viva no mês de março, reforça ainda mais a necessidade de manter a periferia viva!

Quer saber mais? Clique aqui para acessar o material.

Para acompanhar essas e outras ações realizadas pelo Comunidade Viva Sem Fome, acompanhe as nossas redes sociais.

*O Audioetal foi um edital em formato de áudio, que teve a sua primeira edição realizada em maio de 2021, onde iniciativas sociais trouxeram os desafios de suas comunidades e propuseram ações para mitigar esses problemas. Além de uma ação local, os grupos apontaram como tratar da temática apresentada em materiais educativos a serem distribuídos junto das 10 mil cestas de alimentos mensais doadas pela ação Comunidade Viva.