Ação educativa de fevereiro traz informação e diversão para crianças e adolescentes

As férias escolares acabaram, mas para as crianças e adolescentes atendidos pelos Projeto Romper, Espaço Aê e Projeto Badu o conhecimento se ampliou para além das salas de aula no mês de fevereiro. Apresentamos a seguir as ações propostas por esses grupos no Audioetal da Ação Comunidade Viva Sem Fome.


A ação do Projeto Romper, que atua no Morro das Pedras, recebeu o nome de “Oficina Fuxico do Bem” e teve duas edições: as bonecas de retalhos e a de criação de brinquedos afetivos. Em ambas, houve o reaproveitamento de tecidos, contação de histórias a partir dos personagens criados e um lanche bastante elogiado pelas crianças. No total, foram atendidos 60 crianças e adolescentes.


De acordo com Juthay, coordenadora do projeto, a ideia proposta e cumprida foi de “uma oficina que mescla roda de conversa com costura afetiva.”

A ação do Espaço Aê foi o primeiro encontro presencial de 2022 que conseguiu reunir todas as crianças e adolescentes atendidos pelo projeto. Com o tema “O que diz meu bairro?”, uma caminhada afetiva foi o convite para uma descoberta conjunta e colaborativa de um tema muito presente no cotidiano de todos: o próprio bairro Aparecida. Com máscaras, álcool em gel e uma pastinha individual com papéis, cartolinas e canetas, eles se dividiram em pequenos grupos e percorreram o bairro mapeando e registrando suas percepções de tudo relacionado à escrita que encontraram no percurso (placas de rua, de lojas, de carros, pixos, grafites e outros).


De acordo com Ester Teixeira de Almeida, uma das realizadoras da ação, a base para o desenvolvimento do encontro foi o conceito de letramento: “O bairro fala através das escritas espalhadas por ele e a ideia proposta pelo coletivo é mostrar para as crianças e adolescentes a importância da leitura e da escrita de forma prática e dentro do cotidiano e das vivências de cada uma, dentro do seu próprio território”.


No momento final do encontro, os grupos se reuniram novamente em uma rua sem saída do bairro onde tiveram uma surpresa: ver seus nomes escritos em um grafite lindo e colorido pintado pelos artistas @tinasouoficial e @hisneleandro com os dizeres “Esse bairro é a gente”.



O projeto Badu realizou a iniciativa cultural “Boneca Abayomi” com crianças de 06 a 12 anos em situação de vulnerabilidade social que são atendidas pelo projeto Gedecom, no bairro Suzana, em Belo Horizonte. A ação contou com uma roda de conversa sobre identidade negra, contação de história sobre a origem das Abayomi e oficina orientada para que cada um pudesse criar sua própria boneca.


De acordo com a idealizadora do projeto, Valquíria Barbosa da Silva, a inspiração para propor a ação aconteceu porque “não são poucos os problemas que a falta de identidade racial tem trazido para o povo negro. Por isso, a iniciativa Boneca Abayomi tem o objetivo principal de expandir a cultura africana e criar identidade negra nas crianças.”



O jogo É bingo, bicho! que foi elaborado em conjunto com esses três grupos e distribuído nas cestas básicas do Comunidade Viva no mês de fevereiro, teve tudo a ver com conhecimento e infância. Quer saber mais? Clique aqui para acessar o material.


 Para acompanhar essas e outras ações realizadas pelo Comunidade Viva Sem Fome, acompanhe as nossas redes sociais. 

*O Audioetal foi um edital em formato de áudio, que teve a sua primeira edição realizada em maio de 2021, onde iniciativas sociais trouxeram os desafios de suas comunidades e propuseram ações para mitigar esses problemas. Além de uma ação local, os grupos apontaram como tratar da temática apresentada em materiais educativos a serem distribuídos junto das 10 mil cestas de alimentos mensais doadas pela ação Comunidade Viva.